Dodge pede aos procuradores da Lava Jato avaliação do impacto dos vazamentos

Procuradora-Geral da República se reuniu com os membros da força-tarefa de Curitiba e pediu também avaliação do que está por vir em mensagens vazadas



Por:Jornal NC - Publicado em 19/07/2019

Dodge pede aos procuradores da Lava Jato avaliação do impacto dos vazamentos

Na reunião que aconteceu, em Brasília, com integrantes da força-tarefa da Lava Jato de Curitiba, a Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, pediu uma avaliação do teor das mensagens vazadas pelo The Intercept, e se os procuradores têm ideia do que está por vir. As informações são da coluna Painel, da Folha de S.Paulo.
Segundo Daniela Lima, que assina a coluna, “os procuradores teriam dito que não há nada ilegal nas conversas”. Mesmo assim, Dodge pediu cautela. A tentativa da chefe do Ministério Público Federal é evitar mais exposição.
A expectativa de membros do MPF era a divulgação de uma nota institucional, após esta reunião, em defesa da Operação Lava Jato. Mas isso não aconteceu. Ainda segundo a Folha, procuradores ficaram insatisfeitos com isso, porque esperavam um apoio maior por parte de Dodge. Por outro lado, Daniela Lima escreve que, quem conhece a procuradora-geral “viu na moderação um sinal de que [Dodge] teme que os vazamentos arranhem a imagem institucional do Ministério Público Federal”.

Veja Também: Prefeito Rogério Franco vistoria obras da duplicação da Estrada de Caucaia

Aumenta descrédito
A tarefa de defender a Lava Jato tem ficado cada vez mais difícil, por conta dos desgastes para os membros da força-tarefa com os vazamentos de mensagens que vem sendo publicadas pelo The Intercept Brasil e outros veículos desde o dia 9 de junho.
Entre os vazamentos mais recentes, estão conversas entre Dallagnol e Moro, onde o procurador pediu R$ 38 mil para o então juiz, dinheiro de propriedade da 13ª Vara Federal em Curitiba, para o pagamento de um vídeo de promoção do pacote conhecido por “10 medidas anticorrupção”, que seria veiculado na Rede Globo.
O procedimento é ilegal em vários sentidos. Primeiro porque uma Vara da Justiça não tem liberdade legal para investir em propagandas, segundo de fazer propagandas para entidades terceiras e, por último, o fato de um juiz conversar sobre o repasse de recursos para um procurador federal com essa finalidade. A colunista da Folha, Mônica Bergamo, divulgou outras mensagens mostrando que Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, pediu passagem e hospedagem no parque aquático Beach Park para ele, a mulher e os dois filhos como condição para dar palestras sobre combate à corrupção na Fiec (Federação das Indústrias do Ceará), em julho de 2017. Além disso, o procurador cobrou cachê. Eu pedi pra pagarem passagens pra mim e família e estadia no Beach Park. As crianças adoraram.
Além disso, eles pagaram um valor significativo, perto de uns 30k [R$ 30 mil]. Fica para você avaliar”, escreveu Dallagnol para o então juiz da Lava Jato Sergio Moro, por meio do aplicativo Telegram. Na época em que a conversa aconteceu, em julho de 2017, Dallagnol ainda festejou o fato de não ter sofrido punição de órgãos de fiscalização por dar palestras.

Curta nossa Fanpage no Facebook

Seu Portal de últimas notícias das cidades de Barueri, Santana de Parnaíba, Carapicuíba, Osasco, São Paulo e região de Alphaville e Granja Viana.

Publicidade


Contato

Telefone
(11) 9 8476-9654

Endereço
Edifício Beta Trade
Rua Caldas Novas, 50, Sala 175,
Bethaville I - SP, CEP 06404-301.


©2014 2019 - Jornal NC. Todos os direitos reservados