“Smart guns”: a nova aposta dos EUA para segurança

O objetivo de reduzir problemas derivados de “descarga acidental ou uso não-autorizado das armas de fogo”

Publicado em 15/01/2016

Na semana passada, o presidente dos Estados Unidos Barack Obama recomendou ao Departamento da Defesa, ao Departamento de Justiça e ao Departamento de Segurança Nacional que investissem em pesquisas sobre “armas inteligentes”.
Em declaração, Obama incentivou os departamentos a “conduzir ou patrocinar pesquisas” sobre esses armamentos, com o objetivo de reduzir problemas derivados de “descarga acidental ou uso não-autorizado das armas de fogo”.

Veja Também: Mudanças no modelo de telecomunicações estão em debate até o fim da semana


As “armas inteligentes” de que o presidente dos EUA fala são armas de fogo que se valem de meios tecnológicos para evitar disparos acidentais (ou realizados por pessoas não autorizadas). Esses equipamentos utilizam sistemas de autenticação biométrica ou digital para realizar seu destravamento.
Um exemplo de arma desse tipo é a Armatix iP1, que foi autorizada para venda nos Estados Unidos em abril de 2014. A pistola vem com um relógio e precisa ser “sincronizada” com o relógio antes de que possa ser disparada. Uma vez sincronizada, a arma só dispara quando é utilizada por alguém que veste o relógio. Isso é possível porque a pistola e o relógio se comunicam por RFID.
Curta nossa Fanpage no Facebook


Publicidade


Contato

Telefone
(11) 98983-6042

Endereço
Edifício Beta Trade
Rua Caldas Novas, 50, Sala 175,
Bethaville I - SP, CEP 06404-301.


©2014 2018 - Jornal NC. Todos os direitos reservados