Atendimento psico-oncológico do HMB reforça tratamentos contra o câncer

Hospital Municipal de Barueri faz atendimento psico-oncológico e reforça tratamentos contra o câncer

Publicado em 09/08/2018

Com a facilidade dos inúmeros aplicativos para mandar mensagens rápidas e sem muita elaboração, escrever cartas parece uma ideia antiquada. Mas, um método tão simples, composto apenas por papel, caneta e emoção, pode trazer inúmeros resultados positivos tanto para quem escreve quanto para quem recebe uma mensagem. Para redigir uma carta, o que realmente importa é apenas o sentimento. E é justamente este sentimento, trabalhado em forma de palavras, que pode ajudar no tratamento de doenças.

Veja Também: Não estamos ficando doentes. Estamos sendo envenenados

Dentre as atividades propostas pelos psicólogos do Hospital Municipal de Barueri (HMB), a troca de cartas, técnica que permite transformar emoções em palavras, merece destaque por ser acessível e eficaz. No Hospital, a psicologia faz parte da equipe multidisciplinar que acompanha o paciente com câncer, composta por oncologista, radioterapeuta, enfermeiro, nutricionista, fonoaudióloga e assistente social.
O acolhimento psicológico ingressa no tratamento desde a primeira consulta com o oncologista e segue durante a investigação do diagnóstico, a internação, o tratamento até a reabilitação, com objetivo de auxiliar o paciente no enfrentamento da doença. Na avaliação do caso é possível saber sobre o histórico psíquico, se há transtornos como depressão e ansiedade e entender qual a melhor forma de cuidar do paciente.
Paralelamente à verbalização, que é a abordagem mais comum, a psicologia também incentiva a troca de cartas entre familiares e pacientes para transmitir as emoções e os pensamentos sobre e para além da doença.
A expressão no papel é a alternativa mais apropriada em casos que o paciente não consegue conversar sobre o câncer, pois trabalha a própria aceitação e também melhora a comunicação e a aproximação da família. Muitas barreiras são criadas em torno da doença, e uma delas é esconder o sentimento na tentativa de parecer mais forte, atitude tomada tanto por quem está doente quanto por quem está próximo. A ideia das cartas é justamente quebrar este paradigma para fazer com que todos trabalhem com o sentimento e pensem nos sintomas da alma, que geralmente não são verbalizados. Vale destacar também a percepção do fortalecimento dos laços familiares de pacientes internados, que não podem receber visitas das crianças, mas recebem desenhos e palavras de carinho. Assim como acolhe o paciente, o setor de psicologia também recebe os familiares, para que juntos consigam passar pelo momento da crise e gerenciar melhor todo o processo da doença. O atendimento psico-oncológico oferece um tratamento individualizado e humanizado.

Curta nossa Fanpage no Facebook


Publicidade


Contato

Telefone
(11) 98983-6042

Endereço
Edifício Beta Trade
Rua Caldas Novas, 50, Sala 175,
Bethaville I - SP, CEP 06404-301.


©2014 2018 - Jornal NC. Todos os direitos reservados