Barueri é referência na prática de Equoterapia

Desde 2018, em Barueri há o Centro Municipal de Equoterapia, e já contou com, aproximadamente, 300 praticantes



Por:Jornal NC - Publicado em 11/08/2022

 Barueri é referência na prática de Equoterapia

Barueri comemora o Dia Nacional da Equoterapia, um reconhecimento pela prática que se revela cada vez mais benéfica no tratamento de vários problemas de saúde. Em Barueri, desde 2018, há o Centro Municipal de Equoterapia, referência neste tipo de atividade, e que desde então já contou com, aproximadamente, 300 praticantes. Instalado em uma área de oito mil metros quadrados, com dois mil metros de área construída, em Alphaville, o Centro de Equoterapia conta com 29 funcionários e onze cavalos. Fica na Alameda Bilbao, 1, em Alphaville Empresarial. Hoje a equoterapia tem legislação própria (lei 13.830, de 2019) e está regulamentada como método de reabilitação de pessoas com deficiência. A prática da equoterapia se desenvolveu de tal maneira nos últimos anos que o uso de cavalos em tratamentos médicos avançou bastante e é recomendado para vários procedimentos interdisciplinares nas áreas de saúde, educação e equitação. Sempre com o intuito de promover o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas com deficiências. A Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SDPD) faz o acolhimento de interessados nesse tratamento. Contudo, é preciso que o praticante tenha atestado de saúde para aptidão em equoterapia. O encaminhamento é feito pelas unidades básicas de saúde (UBSs). “A procura é muito grande”, afirmou Eliane Cristina Baatsch, coordenadora do Centro Municipal de Equoterapia, especialista em equoterapia. Eliane ressalta que cada praticante é único e avaliado em seu diagnóstico. Daí é traçado o tratamento do prognóstico e definido os objetivos. É como acontece com Maria Eduardo Brito, de 2,8 anos de idade. Com atraso na fala, ela é praticante da equoterapia desde junho. “Os exercícios estimulam os sentidos, o contato com o animal trabalha todas as articulações dela. No começo foi difícil, mas hoje ela gosta muito”, explicou a mãe de Maria Eduardo, Natália de Brito, do Jardim Tupanci. A coordenadora do centro de equoterapia, inclusive autora de um livro sobre o tema, “Equoterapia na inclusão escolar”, disse que os tratamentos são voltados para pessoas com deficiência física, auditiva, intelectual ou para aqueles que têm transtorno do espectro autista (TEA). E entre os benefícios aos praticantes estão as melhoras nos quadros comportamentais, da adequação de tônus muscular e postural, do controle cervical, entre vários outros. “Sou um dos que têm orgulho deste lugar”, comentou o segurança Sérgio Antônio da Silva, pai de Danilo Gabriel Mendes da Silva e morador do Engenho Novo. Com paralisia cerebral leve, Danilo, após uma operação e bastante tratamento no centro, começou a andar. “Com oito ou dez sessões já percebemos uma evolução impressionante e o Danilo adorou este lugar”, disse o pai, sem esconder a satisfação do filho em participar das atividades terapêuticas.

História da Equoterapia
Pode-se considerar que a equoterapia tem mais de 100 anos de história. Começou durante a chamada Guerra dos Bôeres entre ingleses e holandeses, no sul da África, ao final do século XIX e início do séc. XX, no contexto das disputas imperialistas daqueles tempos. Na época, a ideia era levar lazer e quebrar a monotonia dos mutilados nos hospitais. Pouco mais tarde e com a mesma intenção de distrair o cotidiano dos feridos, na Primeira Guerra Mundial, o hospital universitário de Oxford criou o primeiro grupo de equoterapia, em 1917.

Seu Portal de últimas notícias das cidades de Barueri, Santana de Parnaíba, Carapicuíba, Osasco, São Paulo e região de Alphaville e Granja Viana.

Publicidade


Contato

Telefone
(11) 9 8476-9654

Endereço
Edifício Beta Trade
Rua Caldas Novas, 50, Sala 175,
Bethaville I - SP, CEP 06404-301.


©2014 - 2022 - Jornal NC. Todos os direitos reservados