Governo cria plano de ação contra epidemia de sífilis no país

O Ministério da Saúde e outras 19 associações e conselhos de saúde assinaram uma carta em apoio no combate à sífilis



Por:Jornal NC - Publicado em 24/11/2016

Governo cria plano de ação contra epidemia de sífilis no país

O governo brasileiro lançou uma ação de combate à sífilis congênita, passada de mãe para filho durante a gravidez ou parto, com o objetivo de aumentar a identificação da doença ainda no início do pré-natal e encaminhar a paciente para o tratamento com penicilina.



O Ministério da Saúde e outras 19 associações e conselhos de saúde, entre elas a Organização Pan-Americana da Saúde e Organização Mundial da Saúde, assinaram uma carta em apoio no combate à sífilis.



A diretora do Departamento de HIV, aids e hepatites virais do Ministério da Saúde, Adele Benzaken comenta: “Um grande desafio é o início precoce, já que culturalmente as mulheres tendem a procurar o médico apenas quando a barriga aparece, o que diminui as chances de cura da sífilis para a mãe e facilita a transmissão da doença para o bebê.”



Veja Também: Cientistas criam dispositivo USB capaz de fazer testes de HIV em 30 minutos



O Sistema Único de Saúde (SUS) já disponibiliza testes rápidos para diagnosticar a sífilis, o procedimento é pedido para gestantes já na primeira consulta de pré-natal. O processo deve durar por pelo menos um ano.
Além disso, a campanha prevê uma ampliação do diagnóstico da doença e do tratamento para a gestante e o parceiro. O Ministério da Saúde irá organizar ações para qualificação de gestores e profissionais da saúde.



As infecções provocadas pela sífilis cresceram no Brasil em um ritmo descontrolado. Entre 2014 e 2015, os registros aumentaram 32,7% em adultos, 20,9% em gestantes e 19% sífilis congênita em bebês.
No ano passado, o número total de casos notificados de sífilis adquirida no Brasil foi de 65.878. Já a taxa de 42,7 casos por 100 mil habitantes, sua maioria em homens. A taxa entre gestantes aumentou de 3,7 para 11,2 a cada 1 mil nascidos vivos, entre 2010 e 2015. Pelos cálculos atribuídos ao Ministério da Saúde, o aumento está em torno de 202%.
Com relação à sífilis congênita em bebês, no mesmo ano, foram notificados 19.228 casos da doença, uma taxa de incidência de 6,5 por 1.000 nascidos vivos. Além disso, a taxa de mortalidade também aumentou, sendo de 7,4 casos para cada 100 mil nascidos vivos.



Curta nossa Fanpage no Facebook

Seu Portal de últimas notícias das cidades de Barueri, Santana de Parnaíba, Carapicuíba, Osasco, São Paulo e região de Alphaville e Granja Viana.

Publicidade


Contato

Telefone
(11) 9 8476-9654

Endereço
Edifício Beta Trade
Rua Caldas Novas, 50, Sala 175,
Bethaville I - SP, CEP 06404-301.


©2014 2019 - Jornal NC. Todos os direitos reservados