Governo colombiano se reunirá com oposição para discutir acordo de paz com Farc

Em pronunciamento, presidente Juan Manual Santos reconheceu que o novo processo de negociação com a guerrilha “é melhor” que o anterior



Por:Jornal NC - Publicado em 18/11/2016

Governo colombiano se reunirá com oposição para discutir acordo de paz com Farc

Após o governo colombiano firmar um novo acordo com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), as negociações da paz com a guerrilha mais antiga da América Latina precisa da aprovação da oposição. Falta, ainda, responder às dúvidas da população que imperam nesta segunda-feira: como esse acordo será referendado e implementado.
Firmado, no sábado, pelos chefes negociadores de ambos os lados em Havana, o pacto inclui parte dos questionamentos, detalhes e contribuições de diversos setores que se opuseram ao acordo original, alcançado em 26 de setembro, mas derrotado nas urnas em 2 de outubro. — Com toda humildade, quero reconhecer que este novo acordo é um acordo melhor — declarou o presidente Juan Manuel Santos, em pronunciamento transmitido, no sábado à noite, pela televisão. Em conversa com a AFP, o diretor do Centro de Análises de Conflicto Cerac, Jorge Restrepo, concordou que se trata de uma versão melhorada, porque “preserva a Constituição, ao eliminar inovações jurídicas desnecessárias, que buscavam dar garantias às Farc”.
Segundo ele, o pacto “entrega a vários grupos do ‘não’ avanços que protegem seus interesses” — sobretudo, em temas de segurança jurídica para quem pode ter envolvimento com alguns crimes (como militares e empresários), ou alívio para setores religiosos que temiam a presença de ideologias de gênero no texto. Nem Santos nem os negociadores em Havana apresentaram detalhes sobre como será o processo de referendo do novo acordo.
Negociação com opositores
No momento, o presidente colombiano ordenou ao chefe negociador Humberto de la Calle que comece a se reunir com os líderes do “não” para lhes explicar os pormenores das modificações. Espera-se que a “versão integrada” do acordo esteja disponível, em breve, para que todos os colombianos possam lê-la.

Veja Também: Economia enfrenta “grau anormal de incerteza” após vitória de Trump, diz vice-presidente do BCE


A outra grande dúvida que surge sobre o futuro do processo é se os opositores, depois de conhecer o teor do novo acordo, irão apoiá-lo, fazer observações, ou rejeitá-lo definitivamente. Esta última opção implicaria uma enorme incerteza sobre sua implementação.
O mais ferrenho opositor ao processo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), o ex-presidente Álvaro Uribe, solicitou que os porta-vozes da oposição possam estudar o novo texto e que o acordo “não tenha alcance definitivo” até que sua revisão seja concluída. “Muitos do ‘não’ se somarão ao novo acordo”, e apenas “uma minoria radical” se pronunciará contra, por considerar que vários dos aspectos-chave do acordo se mantêm, vaticinou Jorge Restrepo.
Uma das principais críticas sofridas pelo pacto original foi dar às lideranças do grupo armado a possibilidade de participar da política. Esse ponto permanece na nova versão.
Santos pediu aos colombianos que entendam que o objetivo dos processos de paz “é, justamente, que os guerrilheiros baixem as armas e que possam fazer política dentro da legalidade”.
Embora a mesa de diálogo tenha tratado da limitação de sua participação política, Santos admitiu que “não se conseguiu avançar” neste tema. Segundo o presidente colombiano, as Farc “terão de participar das eleições” com as mesmas condições que os demais movimentos políticos.Curta nossa Fanpage no Facebook

Seu Portal de últimas notícias das cidades de Barueri, Santana de Parnaíba, Carapicuíba, Osasco, São Paulo e região de Alphaville e Granja Viana.

Publicidade


Contato

Telefone
(11) 9 8476-9654

Endereço
Edifício Beta Trade
Rua Caldas Novas, 50, Sala 175,
Bethaville I - SP, CEP 06404-301.


©2014 2019 - Jornal NC. Todos os direitos reservados