Documentos apontam que governo comprou vacina indiana por valor 1000% maior

Segundo memorandos diplomáticos enviados à CPI da Pandemia, o valor por doses da Covaxin foi superior à estimativa inicial



Por:Jornal NC - Publicado em 24/06/2021

Documentos apontam que governo comprou vacina indiana por valor 1000% maior

A CPI da Pandemia recebeu documentos enviados pelo Ministério das Relações Exteriores que revelam que o valor negociado pelo governo brasileiro para a compra da vacina indiana Covaxin foi 1000% superior ao estimado por executivos da Bharat Biotech, em agosto do ano passado.

Segundo relatos do embaixador do Brasil na Índia, André Aranha Corrêa do Lago, executivos da farmacêutica davam conta de que uma dose da vacina custaria cerca de 100 rúpias, aproximadamente US$ 1,34 (um dólar e trinta e quatro centavos). O valor firmado em fevereiro deste ano, no entanto, foi de US$ 15 (quinze dólares), cerca de 1000% a mais do preço inicial tratado entre a farmacêutica e a Precisa Medicamentos.

O presidente da empresa, Francisco Maximiano, foi o responsável por intermediar as negociações e esteve pessoalmente na Índia para realizar as tratativas. Informes diplomáticos de dezembro do ano passado mostram que uma das relações públicas da farmacêutica indiana, Lisa Rufus, chegou a afirmar que uma dose da vacina custaria “menos que uma garrafa de água”.

Veja Também: CPI retira sigilo de documentos enviados pelo Itamaraty, Ministério da Saúde e Fiocruz

O contrato para aquisição da Covaxin é de R$ 1,6 bilhão, com dispensa de licitação, para 20 milhões de doses que ainda não têm prazo de entrega. O valor ainda não foi pago à farmacêutica. A negociação com a Astrazeneca, por exemplo, gerou um investimento de R$ 1,9 bilhão para aquisição de 100 milhões de doses e transferência de tecnologia.

A vacina inglesa custou um terço do valor da indiana. Ainda segundo o documento, o vice-presidente internacional da Bharat Biotech, Venkatraman Sivaramakrishna, informou que as tratativas com o governo federal e com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) eram feitas diretamente pelo presidente da Precisa Medicamentos.

O Ministério da Saúde se pronunciou em nota e afirmou que a vacina Covaxin não foi comprada.
“O Ministério da Saúde reafirma que mantém diálogo com todos os laboratórios que produzem vacinas Covid-19 disponíveis no mercado.

No entanto, só distribui aos Estados imunizantes aprovados pela Anvisa, que avalia rigorosamente a documentação dos fabricantes. É importante ressaltar ainda que, até o momento, o Ministério não realizou a compra da vacina Covaxin e não fez qualquer pagamento ao laboratório.”

Curta nossa Fanpage no Facebook

Seu Portal de últimas notícias das cidades de Barueri, Santana de Parnaíba, Carapicuíba, Osasco, São Paulo e região de Alphaville e Granja Viana.

Publicidade


Contato

Telefone
(11) 9 8476-9654

Endereço
Edifício Beta Trade
Rua Caldas Novas, 50, Sala 175,
Bethaville I - SP, CEP 06404-301.


©2014 - 2021 - Jornal NC. Todos os direitos reservados