Cogumelos alucinógenos podem tratar depressão profunda, diz estudo

A Psilocibina, componente presente em cogumelos, é estudada por britânicos. Efeitos e benefícios ainda estão em fase de testes



Por:Jornal NC - Publicado em 25/05/2016

Cogumelos alucinógenos podem tratar depressão profunda, diz estudo

A psilocibina, o componente psicodélico presente em cogumelos, pode um dia ser um tratamento eficaz para pacientes com depressão profunda que não conseguem se recuperar usando outras terapias, disseram cientistas.
Um estudo piloto de pequena escala do uso da psilocibina em casos de depressão resistente a tratamento convencional mostrou que o método é seguro e eficiente, disseram pesquisadores britânicos.
Dos 12 pacientes que receberam a droga, todos mostraram algum recuo nos sintomas de depressão durante pelo menos três semanas. Sete continuaram a exibir uma reação positiva após três meses, e cinco continuavam em recuperação após este período.
Robin Carhart-Harris, que liderou o estudo no departamento de medicina do Imperial College de Londres, disse que os resultados, publicados no periódico científico Lancet Psychiatry, são surpreendentes.



Veja Também: Consumo exagerado de carne vermelha eleva o risco de câncer


Muitos pacientes descreveram uma experiência profunda, disse ele, e pareceram ter uma transformação na maneira como percebem o mundo.
“Mas não devemos nos empolgar com estes resultados”, afirmou aos repórteres em um boletim em Londres. “Isso não é uma bala de prata. Estamos começando a aprender como fazer este tratamento”.
Os cogumelos mágicos crescem em todo o mundo e vêm sendo usados desde os tempos antigos, tanto para recreação quanto para rituais religiosos. Curta nossa Fanpage no Facebook

Seu Portal de últimas notícias das cidades de Barueri, Santana de Parnaíba, Carapicuíba, Osasco, São Paulo e região de Alphaville e Granja Viana.

Publicidade


Contato

Telefone
(11) 9 8476-9654

Endereço
Edifício Beta Trade
Rua Caldas Novas, 50, Sala 175,
Bethaville I - SP, CEP 06404-301.


©2014 2019 - Jornal NC. Todos os direitos reservados