Inverno em São Paulo será o mais rigoroso em três anos, diz Inmet



Publicado em 23/06/2016

O inverno começou no dia 20 de junho com os termômetros marcando temperaturas mais baixas que nos últimos três anos, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). A previsão é para todo o estado de São Paulo.
Segundo Marcelo Schneider, meteorologista do instituto, as temperaturas ficam mais baixas que a média histórica, cuja mínima é de 12,4 graus Celsius (ºC) e máxima de 22,2ºC em junho e julho; mínima de 13ºC e máxima de 24ºC em agosto, e mínima de 14ºC e máxima de 25ºC em setembro.
O meteorologista explica que houve declínio do fenômeno El Niño, que vinha bloqueando a entrada da frente fria pelo Sul do país. Com isso, a expectativa é de temperaturas em queda. “Tem ainda previsão da chegada do La Niña, com entrada de frente fria mais intensa em julho, e de massa de ar polar”, disse. Apesar do frio, o inverno deve ter intervalos com condições climáticas quentes e secas. “Terá altos e baixos”, afirmou Schneider.
As chuvas também serão mais intensas no inverno, a começar pelo resultado de junho, cuja precipitação acumulada foi de 203,9 milímetros (mm) até ontem (19), a mais alta desde 1943. A média para o mês é de 54 mm. A estimativa para o restante dos meses é de precipitação de 10% a 15% maior que as médias históricas, que são de 44 mm para julho, 37 mm para agosto e 76 mm para setembro.


Veja Também: MINISTÉRIO PÚBLICO INVESTIGA DENÚNCIA DE FRAUDE EM LICITAÇÕES EM SANTANA DE PARNAÍBA


A cidade de São Paulo bateu recordes de baixa temperatura durante a semana passada. Na segunda-feira (13), os termômetros registraram zero grau na estação meteorológica da Capela do Socorro, zona sul. Foi a temperatura mais baixa em 12 anos, medida pelo Centro de Gerenciamento de Emergência (CGE).
Para o inverno, Michael Pantera, meteorologista do CGE, concorda que o término do El Niño influenciará na queda das temperaturas no município. “Será um inverno mais frio que o do ano passado, mas com temperaturas dentro da normalidade”, disse. Esclarece que o frio extremo dos últimos dias foi causado por uma massa de ar polar.Curta nossa Fanpage no Facebook

Publicidade

© 2016 - Jornal NC. Todos os direitos reservados