Tratamento de esgoto: o que são emissários submarinos de esgoto



Publicado em 29/01/2016

Um dos principais desafios das grandes cidades, independente de sua localização, é como tratar e dispensar o seu esgoto. Em muitas áreas urbanas, este processo é realizado sem o devido tratamento, com os despojos sendo lançados aos rios e canais, promovendo rastros bastante visíveis de poluição ambiental.
Uma das soluções utilizadas em cidades à beira mar visa realizar um tratamento mais adequado e, ainda, aproveitar a capacidade de depuração dos oceanos, resultado de seu enorme volume de águas. Os sistemas que realizam este processo de tratamento e lançamento de esgoto nas águas profundas dos oceanos recebem o nome de emissários submarinos.


Veja Também: Engenheiro cria sistema natural para tratar esgoto

Nestes sistemas, após ser coletado, o esgoto é encaminhado para uma estação de pré-condicionamento (EPC) onde passa por um gradeamento – peneiramento para a remoção dos sólidos – e também por uma cloração – aplicação de cloro na água. Depois deste processo, o esgoto é encaminhado, através de tubulações, para ser lançado ao mar por difusores.
O mais indicado é que os emissores submarinos sejam construídos o mais distante possível da costa e em áreas abertas, onde a circulação oceânica é facilitada. Vale lembrar que, mesmo com todos os cuidados e com as vantagens oferecidas pelo processo de depuração natural dos oceanos, o excesso de esgoto pode causar desequilíbrios ambientais como a contaminação por micro-organismos e a acumulação de matéria orgânica.
Curta nossa Fanpage no Facebook

Publicidade

© 2016 - Jornal NC. Todos os direitos reservados