Bitcoin supera US$ 11 mil em meio a temor de que bolha exploda



Publicado em 30/11/2017

A cotação da moeda virtual bitcoin superou nesta quarta-feira (29), pela primeira vez, a barreira de US$ 11 mil, em meio a temores de que a sua bolha exploda, fazendo com que o seu preço, que multiplicou por dez em menos de um ano, despenque. A informação é da agência EFE.
Um bitcoin estava cotado a US$ 11.186,29 às 13h10 (de Brasília), segundo a plataforma Bitstamp, poucas horas depois de ter superado a barreira de US$ 10 mil, uma progressão que disparou os temores de que os investidores estejam superestimando o valor da criptomoeda.
O vice-governador para a Estabilidade Financeira do Banco da Inglaterra, Jon Cunliffe, ressaltou que uma eventual queda da cotação da bitcoin representaria um risco leve para a economia global, embora possa ser um grande perigo para as pessoas físicas que investiram nela.
“Não se trata de uma divisa no sentido convencional. Não há um banco central que esteja por trás dela. Para mim, atua mais como uma matéria-prima”, afirmou Cunliffe à BBC Radio 5.
O principal diretor do grupo bancário JPMorgan, Jamie Dimon, comparou há poucas semanas o repentino auge no valor da bitcoin com a euforia especulativa que aconteceu na Holanda do século XVII com as tulipas e advertiu que a moeda “pode ser cotada a US$ 100 mil antes de ser vendida por zero”.

Veja Também: Avião militar dos EUA cai no Pacífico com 11 pessoas a bordo

Nessa mesma linha, o analista Neil Wilson, da britânica ETX Capital, argumentou que o risco da bitcoin é tão elevado que os investidores institucionais nem se aproximam. “Os preços estão numa bolha, claro. As pessoas estão comprando somente por razões especulativas, e por isso existe a preocupação de que se trate de uma bolha insustentável”, afirmou.
O sucesso da bitcoin, que começou a ser distribuída em 2009, levou à criação de outras divisas virtuais, como a Ethereum, cuja cotação passou de US$ 10 em janeiro para cerca de US$ 480 recentemente.

Curta nossa Fanpage no Facebook

Publicidade

© 2016 - Jornal NC. Todos os direitos reservados