Civis foram orientados a permanecer em casa antes de ataque aéreo



Publicado em 29/03/2017

São Paulo – Civis da cidade de Mosul (Iraque) foram orientados a permanecer dentro de suas casas antes de um bombardeio aéreo conduzido pela coalizão liderada pelos Estados Unidos (EUA) e que acabou matando ao menos 150 pessoas em 17 de março.

A revelação foi divulgada nesta terça-feira pela organização não governamental Anistia Internacional, que vem investigando o alto número de mortes de civis em lugares onde, em tese, essas pessoas deveriam estar protegidas, como residências e outros locais de refúgio.

Essas fatalidades, continua a entidade, aconteceram em decorrência de bombardeios aéreos da coalizão, assim como em razão dos confrontos em solo.

Por conta da insegurança, muitos desses residentes tinham planos de fugir da cidade. No entanto, foram expressamente orientadas pelo exército do Iraque de que deveriam continuar em suas casas e evitar deslocamentos.
As tropas iraquianas vêm atuando em conjunto com a coalizão em uma operação militar iniciada no ano passado e que tem como objetivo libertar Mosul do domínio do grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Veja Também: Trump irá assinar decreto revogando políticas climáticas de Obama

Desespero
Wa’ad Ahmad al-Tai vive na região leste de Mosul e é um dos civis que compartilhou sua história com a Anistia. De acordo com ele, o exército do Iraque instruiu que todas as pessoas que não têm ligações com o EI evitassem deixar suas casas.
Al-Tai e sua família então se reuniram na casa de um de seus irmãos. O lar tinha dois andares, o que lhes conferiu certa sensação de segurança. “Estávamos em 18 pessoas dentro de um quarto, mas quando a casa ao lado foi bombardeada e o cômodo desabou sobre o nosso”. Perdeu 6 familiares.

Crimes de guerra
As violações, entretanto, não estão reservadas apenas aos movimentos da coalizão. A investigação conduzida pela entidade mostrou ainda que o EI vem sistematicamente usando civis como escudo humano, outra estratégia que viola as leis que regem as guerras.

Publicidade

© 2016 - Jornal NC. Todos os direitos reservados