Irregularidades na Operação Carne Fraca são pontuais, diz PF

A Operação Carne Fraca chocou os brasileiros na última sexta-feira (17)

Publicado em 22/03/2017

Após a Polícia Federal deflagrar a Operação Carne Fraca, que chocou o Brasil, na última sexta-feira, dia 17 de março, as empresas suspeitas de maquiar carnes vencidas e as reembalarem para venda ficaram com mais de R$ 1 bilhão bloqueado.

A Polícia Federal reconheceu nesta terça-feira (21) que as investigações tratam de desvios praticados por “alguns servidores”, segundo a corporação, as irregularidades “não representam um mau funcionamento generalizado do sistema de integridade sanitária brasileiro”.

Veja Também: Reforma na Previdência quer tirar o direito à aposentadoria de milhares de brasileiros

As declarações foram divulgadas nesta noite pela PF e pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), após encontro do secretário-executivo da pasta, Eumar Roberto Novacki, com o diretor-geral da corporação, Leandro Daiello. O foco da operação, segundo os órgãos, é a eventual prática de crimes de corrupção por agendes públicos.
"O sistema de inspeção federal brasileiro já foi auditado por vários países que atestaram sua qualidade. O SIF [Serviço de Inspeção Federal] garante produtos de qualidade ao consumidor brasileiro", afirmaram a PF e o ministério em nota conjunta.

Segundo a PF, essa é em números, a maior operação já realizada no país, cerca de mil agentes federais cumpriram 309 mandatos judiciais em sete estados, para buscas e prisões temporários dos suspeitos de participar do esquema. Segundo a investigação, os frigoríficos maquiavam as carnes que já estavam vencidas com ácido ascórbico (substância cancerígena) e subornavam fiscais federais para que eles autorizassem a comercialização dos produtos.

Publicidade

© 2016 - Jornal NC. Todos os direitos reservados