Greve geral nesta quarta, o maior teste para a mobilização contra a reforma da Previdência

Sindicatos de várias categorias confirmaram uma greve geral para esta quarta-feira contra as reformas da Previdência e trabalhista, propostas pelo Governo do presidente Michel Temer

Publicado em 15/03/2017

Sindicatos de várias categorias confirmaram uma greve geral para esta quarta-feira contra as reformas da Previdência e trabalhista, propostas pelo Governo do presidente Michel Temer. Manifestações contra o Governo também foram convocadas em todo o país pelas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, ligadas ao PT, que encabeçaram os protestos contra o impeachment de Dilma Rousseff. Os atos devem acontecer em todas as capitais.
Em São Paulo, o protesto está convocado para às 16h na avenida Paulista, na frente do MASP. A paralisação nacional deve afetar principalmente o transporte público e serviços bancários. Há também previsão de bloqueios em rodovias. O sindicato dos metroviários de São Paulo confirmou que irá paralisar por 24 horas as atividades das linhas do metrô nesta quarta-feira, apesar de uma liminar do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-2) obrigar a categoria a manter o atendimento integral nos horários de pico (das 6h às 9h e das 16h às 19h) e 70% nos restante do dia, sob pena de multa.

Veja Também: Prefeitura de Carapicuíba fecha parceria com o Centro Paula Souza para cursos técnicos


Além das linhas de metrô, motoristas e cobradores de ônibus decidiram parar da 0h até as 8h na capital paulista _outra liminar do TRT2 também proibiu o movimento. Já o sindicato dos ferroviários de São Paulo afirmou que as linhas da CPTM não serão paralisadas. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informou que devido à paralisação de parte do transporte público, o rodízio municipal será suspenso para veículos leves nesta quarta. A cobrança da Zona Azul também será suspensa.
Quem pretende ir ao banco, nesta quarta-feira, pode enfrentar problemas também. A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Povo de) convocou os bancários de todo o Brasil a participarem da paralisação. Segundo a Contraf, cabe a cada sindicato estadual definir a adesão ou não à greve e o período da paralisação.Curta nossa Fanpage no Facebook

Publicidade

© 2016 - Jornal NC. Todos os direitos reservados