Salvador tem 22 casos de doença misteriosa que causa urina preta

Os dados foram divulgados nesta terça-feira (20) pelo órgão, que acompanha os casos

Publicado em 26/01/2017

A Secretaria Municipal de Saúde de Salvador (SMS) informou que já foram notificados, até a segunda-feira (19), 22 casos da doença ainda não identificada, que provoca dor muscular intensa e urina preta. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (20) pelo órgão, que acompanha os casos.
O último boletim da secretaria, na segunda-feira, informou 19 casos notificados da doença. Ainda não há informações de outras cidades da Bahia onde existam registros de casos. A Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) também se posicionou sobre o caso e divulgou um alerta epidemiológico para que os profissionais de saúde fiquem atentos e notifiquem os casos da doença. Conforme a Sesab, todos os pacientes notificados residem na capital baiana, sendo que 14 relataram o consumo de peixe, enquanto oito não se recordam ou não consumiram peixe.
Por meio de nota, a Secretaria de Saúde do Estado informou que está em curso um processo de investigação que reúne profissionais da vigilância epidemiológica, vigilância sanitária e ambiental, assim como os técnicos do Laboratório Central do Estado (Lacen).

Veja Também: Por que a presença do Selo Orgânico é tão importante nas embalagens dos produtos?

A Sesab alerta que a população deve procurar imediatamente uma unidade de saúde caso apresente os sintomas como dor muscular intensa, de início súbito, acometendo, principalmente, a região cervical (pescoço), ombros, costas, coxas ou panturrilhas. Todas as unidades de urgência e emergência estão orientadas a notificar imediatamente os casos suspeitos de mialgia aguda, o que possibilita acelerar o processo de investigação. A forma de transmissão pode ser pelo ar ou pelas fezes de pessoas contaminadas, que são espalhadas no mar. Alguns dos pacientes estiveram em Guarajuba, no Litoral Norte da Bahia, antes de apresentarem os sintomas.Curta nossa Fanpage no Facebook

Publicidade

© 2016 - Jornal NC. Todos os direitos reservados